Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delírio do Moscardo

"devagar, o tempo transforma tudo em tempo. o ódio transforma-se em tempo, o amor transforma-se em tempo, a dor transforma-se em tempo." José Luís Peixoto

Delírio do Moscardo

"devagar, o tempo transforma tudo em tempo. o ódio transforma-se em tempo, o amor transforma-se em tempo, a dor transforma-se em tempo." José Luís Peixoto

05.Dez.12

Três Cores: Vermelho

   No derradeiro filme da trilogia, o desencontro parece ser a rotina. Kieslowski aborda diversos temas sem perder de vista o crucial, da natureza humana. Tem uma abordagem incisiva e consciente do voyeurismo, da vigilância, da privacidade, mas também do que nos une enquanto espécie: a fraternidade. Talvez o motivo tratado de forma menos ambígua na trilogia.
   Valentin é estudante e modelo em Genebra. É aberta, generosa, atenciosa, capaz de criar laços com as pessoas mais austeras. É igualmente bela na aparência, idealizada como autêntica bailarina de costas arqueadas. O rumo que a sua vida toma vai gradualmente sendo revelado a cada cena, sem qualquer esforço. Ao longo da acção, as personagens entrecruzam-se constantemente, tal como folhas que dançam ao vento. Apenas o vermelho as intersecciona, nas suas dimensões espaciais e temporais, actuando como compasso. Toda a luz é predominante, enquanto movimento, enquanto elemento revelador de lucidez. E, no entanto, ilumina apenas o suficiente para nos deixar na dúvida: percebemos realmente o que nos rodeia, ou a nossa perspectiva é constantemente influenciada por algo ou alguém? São as nossas vidas determinadas por sorte, destino ou auto-determinação? Existem segundas oportunidades? Neste universo, a tecnologia concretiza-se no telefone, que, enquanto veículo de comunicação, apresenta, paradoxalmente, um mundo de sinais sonoros que se revela um obstáculo, por vezes distanciando mais do que aproxima.

   Onde o severo quotidiano convive com o misterioso e o passado coabita com o futuro, um idoso é finalmente ajudado a colocar uma garrafa num depósito de lixo. Neste mundo de cabines de vidro, a bondade dos estranhos é uma possibilidade humana.