Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delírio do Moscardo

"devagar, o tempo transforma tudo em tempo. o ódio transforma-se em tempo, o amor transforma-se em tempo, a dor transforma-se em tempo." José Luís Peixoto

Delírio do Moscardo

"devagar, o tempo transforma tudo em tempo. o ódio transforma-se em tempo, o amor transforma-se em tempo, a dor transforma-se em tempo." José Luís Peixoto

16.Dez.14

Mitologia da Imigração


     Muito bom, o artigo do Le Monde, já de Agosto deste ano, a desmontar mitos sobre imigração em França. Que são:


1- Há uma explosão no número de imigrantes em França

Os dados demonstram que, em 30 anos, o aumento de imigrantes na população total se ficou pelos 1,2%.


2 - Há um aumento maciço de imigrantes na Europa

Segundo a Frontex, a entidade que regula o controlo das fronteiras europeias, os números têm-se mantido relativamente estáveis nos últimos anos.


3 - A França acolhe mais imigrantes que os restantes países da UE

Na realidade, as estatísticas mostram que a França fica atrás de países como a Alemanha, Reino Unido, Itália e apenas ligeiramente acima da Espanha. Além disso, a percentagem de imigrantes relativa à população total é menor que nos países anteriormente referidos.


4 - A cidadania francesa é dada ao desbarato

Segundo os dados do Ministério do Interior, embora tenha havido um pico em 2004, as atribuições de nacionalidade estão no mesmo valor de 1996.


5 - Os imigrantes são todos pobres e sem qualificação

Segundo os dados do INSEE (o equivalente ao INE em França), as autorizações de residência concedidas por motivos humanitários são inferiores a 10%.


6 - O Rendimento Solidário Activo (RSA) é dado a todos os estrangeiros que chegam ao país

Na verdade, e apesar de algumas excepções, este subsídio apenas é atribuído após 5 anos de residência em França.


7 - A imigração é uma ruína para as finanças públicas

A demagogia manda que normalmente se refiram os custos para o país, sem se mencionar as receitas. Também quase nunca é referido que uma grande parte dos custos está relacionada com o próprio processo de repatriamento.

 

Há estudos que referem um saldo positivo e há outros que apresentam um saldo negativo (por exemplo, da OCDE). Neste da OCDE, é indicado um impacto fiscal negativo na ordem dos 0,3% do PIB (inferior aos 1,13% da Alemanha).

 

 

Artigo completo:
http://www.lemonde.fr/les-decodeurs/article/2014/08/06/sept-idees-recues-sur-l-immigration-et-les-immigres_4467506_4355770.html