"devagar, o tempo transforma tudo em tempo. o ódio transforma-se em tempo, o amor transforma-se em tempo, a dor transforma-se em tempo." José Luís Peixoto
05
Dez 12
publicado por Moscardo, às 10:00link do post | comentar

   No derradeiro filme da trilogia, o desencontro parece ser a rotina. Kieslowski aborda diversos temas sem perder de vista o crucial, da natureza humana. Tem uma abordagem incisiva e consciente do voyeurismo, da vigilância, da privacidade, mas também do que nos une enquanto espécie: a fraternidade. Talvez o motivo tratado de forma menos ambígua na trilogia.
   Valentin é estudante e modelo em Genebra. É aberta, generosa, atenciosa, capaz de criar laços com as pessoas mais austeras. É igualmente bela na aparência, idealizada como autêntica bailarina de costas arqueadas. O rumo que a sua vida toma vai gradualmente sendo revelado a cada cena, sem qualquer esforço. Ao longo da acção, as personagens entrecruzam-se constantemente, tal como folhas que dançam ao vento. Apenas o vermelho as intersecciona, nas suas dimensões espaciais e temporais, actuando como compasso. Toda a luz é predominante, enquanto movimento, enquanto elemento revelador de lucidez. E, no entanto, ilumina apenas o suficiente para nos deixar na dúvida: percebemos realmente o que nos rodeia, ou a nossa perspectiva é constantemente influenciada por algo ou alguém? São as nossas vidas determinadas por sorte, destino ou auto-determinação? Existem segundas oportunidades? Neste universo, a tecnologia concretiza-se no telefone, que, enquanto veículo de comunicação, apresenta, paradoxalmente, um mundo de sinais sonoros que se revela um obstáculo, por vezes distanciando mais do que aproxima.

   Onde o severo quotidiano convive com o misterioso e o passado coabita com o futuro, um idoso é finalmente ajudado a colocar uma garrafa num depósito de lixo. Neste mundo de cabines de vidro, a bondade dos estranhos é uma possibilidade humana.

 


25
Nov 12
publicado por Moscardo, às 14:00link do post | comentar

   Branco é uma leve comédia romântica apenas na aparência. Há um nível de interpretação adicional, um humor negro subjacente, uma ironia intangível em todo o filme. Uma mala sobre o tapete rolante dum aeroporto é a cena inicial. Karol Karol (Charlie Charlie?) é um cabeleireiro polaco que procura evitar a separação da esposa, que se pretende divorciar devido à não consumação do casamento. A primeira das humilhações que este herói chapliniano sofre. A sua personalidade combina um misto de ingenuidade e malícia de forma desconcertante, cada uma assumindo as rédeas do seu comportamento alternadamente. Tendo perdido tudo para a esposa em Paris, e sem dinheiro para viajar, Karol regressa à terra natal polaca escondido numa mala. A mesma que inicia o filme. Metáfora perfeita da sujeição a um percurso desconhecido, cercado pelo alheio, por circunstâncias que o toldam. Regressa a uma Polónia transfigurada, onde o capitalismo começa a afirmar-se como um novo modo de vida e a sociedade luta por olvidar traumas de um passado comunista. Nesta nova Polónia, tudo é diferente: há mercedes, empresas multinacionais, dólares. O distanciamento do passado é visível na aversão à igreja e no rompimento com tradicionais valores morais. Os novos dogmas são os do mercado. Tudo se vende, tudo se compra... Desde que não seja russo. O individualismo afirma-se em toda a sua glória, o materialismo ganha força, a espiritualidade perdeu-se. A personagem principal parece não ter apelido. Não tem raízes nem terá continuidade, vive para o momento.
   Onde está então a igualdade? Vemos um país recém capitalista a tentar afirmar-se no ocidente. Vemos uma história de amor onde o equilíbrio de poderes é alterado, com um certo toque de vingança. Talvez a igualdade seja impossível num casamento, ou talvez até seja possível, prescindindo de liberdade. Há algo de azul neste branco.

 


04
Nov 12
publicado por Moscardo, às 18:00link do post | comentar

   

   Azul é o primeiro filme da reconhecida trilogia das cores, de Krzysztof Kieslowski.  O tema é a liberdade. Não liberdade social ou política, mas emocional. Aquela que deve permitir esquecer a perda de uma família. Após um acidente de automóvel que tira a vida ao marido e única filha, Julie tenta recuperar um sentido para a sua existência. Entramos no seu quotidiano, frágil, destruído e sombrio, em que parece já não existir razão para viver.

   Kieslowski presta grande importância ao detalhe. É contemplativo sem ser exaustivo. A acção é filmada com uma fluidez visual e lírica que nos imerge naquele universo. Cada personagem é retratada de forma sublime, verdadeira, dedicada. Diversos grandes planos fazem-nos crer estar dentro da personagem, dando-nos um novo olhar: quer que a entendamos, e entendemos. Cada singular emoção.

   O filme está carregado de simbolismo. A piscina enquanto local de dicotomia: vida e morte, a água enquanto elemento de vida e renascimento. A busca pela compreensão humana está sempre presente, mesmo nos momentos de puro silêncio, mas onde o azul resplandece.  Pelo meio, cenas que se dissolvem no negro, não como pausa entre espaço ou época diferentes, mas como suspensões no tempo, instantes onde o consciente actua ao som da orquestra, qual pontuação musical, na pauta da tragédia.

   Paradoxalmente, a falta de liberdade que tem em desligar-se do mundo, onde nega memórias passadas, traz a Julie a vontade de seguir em frente: a liberdade de existir. O que há de mais humano.

 

 


mais sobre mim
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
Sitemeter
Google Analytics
blogs SAPO